Yamaha MT-125. Street-fighter para mobilidade divertida

Em estreia com tanto de surpreendente como de esperado, o elemento mais pequeno da família Yamaha MT chegou, como uma lufada de ar fresco, pronta a arejar um novo público. Dos jovens mais radicais aos automobilistas que procuram mobilidade rápida, económica e divertida. E sempre com a imprescindível facilidade na utilização em ambiente urbano.

  • Texto: Paulo Ribeiro
  • Fotos: Alessio Barbanti e Jonathan Godin

O sucesso do renascido conceito MT, recuperado em 2014 com a MT-09 (motor de três cilindros e 900 cc) e reforçado com a MT-07 (bicilíndrico de 700 cc), impeliu a Yamaha a ampliar família que partilha valores de mobilidade e eficácia, economia e diversão, acessibilidade e facilidade de condução.

Linhas mestras patentes no índice do caderno de encargos da MT-125, modelo que foi concebido, desenvolvido e produzido na Europa, à medida dos desejos dos motociclistas do Velho Continente. Quer dos mais jovens, que procuram conciliar necessidades de mobilidade com desejos de irreverência, quer de automobilistas convertidos pela facilidade de condução com carta B, em busca de economia apicantada com boa dose de diversão.

A família MT continua a crescer!

Aproveitando todo o know-how da casa japonesa, a primeira street-fighter criada pela Yamaha nesta categoria começa por impor-se graças a estética imponente. Plena de detalhes, das agressivas entradas de ar laterais à sobrelevada e muito esguia secção traseira. Do familiar farol truncado e muito inclinado, com luz de presença em LED que reforça ar de moto grande, ao importante volume central criado pelo depósito e motor, das rodas de seis raios em Y ao moderníssimo painel digital.

Apontamentos estéticos de máquina que, até por parecer de maior cilindrada, não deixa ninguém indiferente, com identidade vincada e assumidos traços de família. E isto em qualquer uma das três decorações disponibilizadas, do vermelho anodizado ao cinza mate, passando pela mais desportiva combinação Race Blu.

Grandes cuidados no capítulo estético que nunca deixaram o piloto de lado! Bem pelo contrário, o condutor é brindado com excelente ergonomia, sem renegar as origens desportivas da inspiradora YZF-R 125 mas com posição de condução bastante mais direita e muito mais confortável para costas e braços/punhos. Além de componentes de alta qualidade, como os poisa-pés, seletor de velocidades e pedal de travão em alumínio, ou o banco bastante confortável e com recorte que ajuda a boa colocação dos pés no solo, fator de grande importância para a confiança e o bem-estar em ambiente urbano. Palco de eleição para ciclística mais eficaz do que confortável, é certo, mas que, ainda assim, permite utilização mais intensa sem cansaço de monta.

Costelas racing

Com o guiador mais largo, mais alto e mais perto do tronco, o condutor fica colocado mais à frente relativamente à desportiva YZF, graças também ao perfil mais compacto do depósito. Já os pés assentam mais em baixo e à frente, resultando em posição mais direita e relaxada, facilitando a visibilidade e o controlo em todas as situações. Nomeadamente no seu habitat natural, a selva urbana! Onde a enorme agilidade, verdadeiramente felina, permite enfrentar de forma intuitiva e imediata todo o tipo de fauna e outros perigos, nas ruas estreitas como nas avenidas repletas de tráfego.

Fácil deslocação, em constante desafio apoiado na enorme segurança transmitida pelo potente mas bem doseável travão dianteiro. Cuja progressividade facilita a vida aos menos experientes nestas coisas de duas rodas. Maneabilidade que conta com importante contributo das jantes aligeiradas e pneus de largura que privilegia o comportamento em detrimento da imagem. Algo que seria proporcionada por borrachas mais avantajadas…

Para as corridas… urbanas

Com quadro bastante rígido, em enorme benefício da estabilidade e precisão, e reduzida distância entre eixos que proporcionou gigantesca maneabilidade nas ruas de Barcelona, a Yamaha MT-125 possui no sistema de amortecimento outro argumento de peso. Beneficiando a eficácia em detrimento do conforto, a forquilha invertida de generoso diâmetro e grande rigidez reforçada pelas mesas de direção, mostrou-se muito rigorosa nas mudanças de ângulo, oferecendo um bom tato do trem dianteiro, enquanto atrás, a revisão do apoio do braço oscilante aportou evolução sensível na eficácia.

No início do curso, o amortecedor mostrou-se capaz de absorver as pequenas imperfeições do asfalto ou as irregularidades do paralelo para, quando aumenta a velocidade e a carga, nomeadamente com passageiro, revelar acrescida resistência no final do curso, evitando as desagradáveis batidas no limite do amortecedor. Além de, devido à maior suavidade, reduzir a altura ao solo quando o condutor se senta, facilitando o para arranca em cidade.

Motor divertido e económico

Por fim, o motor! Que dizer de um bloco simples e garantidamente fiável, aprovado pelas mais de 45 mil unidades vendidas da anterior geração da YZF-R 125, e agora foi bastante renovado para aumentar as prestações e, paradoxalmente, a economia? A resposta passa, mais do que pelo aumento de potência e, sobretudo, do binário, por uma entrega muito mais linear e rápida desde baixas rotações, com performances muito interessantes. Acelerações prontas, ajudadas por caixa de velocidades bem escalonada e precisa mas algo dura, em motor que vibra pouco e produz uma sonoridade entusiasmante.

E que, em estrada aberta, permite manter andamentos bem interessantes, desde que não se deixe cair a rotação em demasia. Mais: mesmo denotando enorme propensão para ritmos muito rápidos o motor não gastou mais de 2,4 L/100 km. E isto com acelerador que só conheceu duas posições, completamente aberto ou fechado! Valores que podem facilmente ser reduzidos para cerca de 2 L/100 km! Basta alguma contenção no punho esquerdo e subir de relação da caixa de velocidades um pouco mais cedo nas rotações…

Em jeito de conclusão, a Yamaha MT-125 é opção muito válida para quem busca mobilidade económica e divertida. E conta ainda com imagem moderna, peso reduzido e bem equilibrado, inatacável eficácia do chassis Deltabox e um motor que garante enorme animação.

A Kawasentos Novazaki

Texto e fotos: Alex Kossack Uma das memórias mais vívidas e mais marcantes que tenho de quando era miúdo, memória que sem dúvida talhou e me incutiu este gosto por motas, foi a Kawasaki 900, a Z1, a verdadeira Kawasentos Novazaki, e foi também a primeira moto a sério em que andei. Foi ainda antes […]

Continuar
Honda CB750 Hornet

Honda CB750 Hornet. O vídeo

A Honda CB750 Hornet está de regresso com um motor inteiramente novo e um quadro especificamente desenvolvido para esta moto. Afinal, diversão, agilidade e versatilidade (além da rapidez e facilidade…) são o mote da nova ‘naked’ japonesa que promete agitar o segmento. Aliás, basta olhar para a potência máxima, de 91 cavalos às 9500 rpm […]

Continuar
Honda CB750 Hornet

Honda CB750 Hornet. Heresia ou paradoxo?

Herdeira de um forte reinado entre as ‘naked’, a nova Honda CB750 Hornet despertou muita discussão desde o primeiro momento. Estaria o respeitado nome criado em 1998 posto em causa? Seria o modelo agora dotado de motor de dois cilindros paralelos capaz de cumprir as expetativas de quem sonhava com um quatro-em-linha? Como se enquadraria […]

Continuar