Viagem a Nordkapp, de Odda a Skei.

  • Jorge Casais
  • 02.07.2021 – 7ª Etapa
A ST prontinha para rolar até Skei com o Hotel Bakkegata – The Blue House como “pano de fundo”
Uma despedida de Odda antes de arrancar

Dei continuidade à estrada que vinha a percorrer ontem, a estrada 13, não sem antes ter cometido um erro. Na foto acima é possível uma fábrica e, antes de entrar mesmo na 13, lá fui em direcção à dita empresa para perceber o que era…produtora de zinco. No entanto distraído a olhar para o complexo industrial acabo por me enfiar num túnel que me levaria a Bergen, mas não era essa estrada que tinha planeado e que queria mesmo percorrer. 11 km para lá com outros tantos para cá e assim lá andei a fazer “nestum” cerca de meia hora.

Como já tinha partilhado ontem esta estrada é fabulosa e assim continuou a ser, mesmo com a quantidade enorme de túneis pelos quais passamos.

Ainda a moto não quase tinha aquecido, olho para o lado esquerdo e começo a ver uma cascata monumental. Tive sorte de a conseguir fotografar pois o túnel que fica próximo da cascata (do outro lado do fiorde) estava em trabalhos de manutenção e só passavam carros alternadamente, isto é, uma faixa de cada vez. No momento que estava a chegar fui mandado parar e esperar. Claro que aproveitei de imediato para sacar da máquina e registar momento.

Ambas as fotos captadas em Tyssedal (código para Google Maps – 4HC5+45 Tyssedal )

O apartamento em que pernoitei, excelente por sinal, não tinha pequeno almoço. Claro que não, pois por isso é que é um apartamento e não um hotel. Felizmente lembrei-me de perguntar já quase na hora de fecho dos supermercados, pelo que fui fazer umas compras para preparar o dito cujo, mas café, mesmo sendo uma zurrapa, não havia e às horas que saí estava tudo ainda fechado.

Sem café de manhã? Não podia ser, mas o que é certo é que foi até chegar a Loftus onde estava aberto o Fløi Bakeri. Que maravilha de café. Desde que saí de casa foi o primeiro que me soube mesmo bem porque parecia mesmo o que tomo em casa e na Ferespe.

Fotos captada em Lofthus (código para Google Maps – 8MF5+WC Ullensvang )

E ao tomar este café divinal a paisagem não podia ser melhor !

Lá arranquei como se tivesse descoberto algo que mais ninguém conhece e passo por uma zona agrícola cuja produção principal, pelo que percebi, são cerejas. As árvores pareceram-me de facto e a quantidade de “vendas” à face da estrada era enorme, eram quase de 100 em 100 metros. Só me pergunto é como é que os carros param para comprar se não é permitido parar, salvo motivo de força maior, na berma da estrada? Fica a dúvida.

Entretanto passo o fiorde para o outro lado pela ponte Harangerbrua, entro num túnel com vários km (que bem que soube, com o calor que estava já, sentir aquele fresquinho soube pela vida). Fica para trás o fiorde que me acompanhou durante umas horas e vou então em direcção a Vossevagen onde passo para a E16, passando a acompanhar-me dois lagos lindíssimos, primeiro o Vangsvatnet e logo a seguir o Evangervatnet, que se encontram ligados e, este último, acabará num fiorde.

Ei, não pensem que agora sou um profundo conhecedor de lagos e fiordes na Noruega. Apenas sou curioso destas coisas e quando estava a escrever esta memória fui ao meu amigo Wiki perceber o que eram. Esta E16 é uma estrada com muita curva mas também com muitos túneis… lá fiquei eu com a ideia da toupeira enquanto os atravessava.

Entretanto a distracção de andar a ver a paisagem paga-se por vezes caro e, não me tendo apercebido das indicações, a determinada altura corto pela esquerda pela ponte de Osterøy, apanho as estradas 566 e 567, e quando dei por ela estava enfiado num ferry. Sabia que algo estava errado pois no planeamento desta etapa só precisaria de usar uma vez o ferry e não era tão cedo. Quando já estava no mesmo apercebi-me do que aconteceu. Nada de grave e que não se resolvesse.

As três fotos captadas no ferry de Valestrandsfossen para Åsane (código para Google Maps – GC4H+22 Osterøy )

Em Åsane apanho a E39 que me acompanhou uns bons km e me fez passar por locais muitos bonitos. Continua a saga dos túneis mas aqui com a particularidade de a estrada não estar, em algumas zonas, nas melhores condições, e noutras apenas passar um carro de cada vez. Nem uma moto e um carro passam uma pelo o outro. Mas que a estrada mesmo assim é top, lá isso é.

Ambas as fotos captadas na E39 (código para Google Maps – MHX8+2J Aurda )

Ok, o dia até que estava a ser muito fixe, apenas com o inconveniente de estar ainda mais calor que nos outros dias, mas eu sabia que o que tinha planeado seria muito bom, pelo que tinha investigado na net, quando planeava este passeio pela Noruega.

Mas ainda tinha uma travessia para efectuar. Esta sim, a tal que estava mesmo planeada e que me levou a atravessar o Fiorde de Sogn, partindo de Oppedal para Lavik.

Ambas as fotos captadas no ferry de Oppedal para Lavik (código para Google Maps – 3G43+36 Ytre Oppedal )

Depois de deixar o Ferry continuo pelas estradas E39 e pela 55. Acho que pela primeira vez fiz vários km com o fiorde sempre à vista e bem perto de mim. Até parece que vamos quase “metidos” dentro do fiorde tal é a proximidade da estrada com o mesmo. Partilho que é mesmo top este troço. Recordo que apenas existe aqui um túnel, de grande extensão, e que os restantes são todos eles de pequena dimensão, pelo que a intensidade com que este fiorde se foi enfiando olhos dentro foi enorme.

Ambas as fotos captadas na estrada 55 (código para Google Maps – 5XFP+58 Nordeide )
Ambas as fotos captadas na estrada 55 (código para Google Maps – 56QF+4C Nessane )

Na minha opinião esta 55 é uma daquelas estradas que É OBRIGATÓRIA E INQUESTIONÁVEl. Esta estrada termina em Dragsvik e dou então início a uma outra ainda mais OBRIGATÓRIA E INQUESTIONÁVEL. Passo então para a Fv13. Bolas, que turbilhão sensorial. Só apetece parar de 100 em 100 metros para contemplar o que está a entrar pelos nossos olhos e a ser processado pelo nosso cérebro.

Mas ainda na 55 visito, percorrendo-a pelo seu interior, a espectacular localidade de Balestrand. A particularidade da mesma não é tanto pela envolvente, que também é fantástica, mas pelas casas que parecem saídas de um qualquer desenho animado da Disney.

Todas as quatro fotos captadas na estrada localidade de Balestrand.
São 4 exemplos apenas…as outras vão pelo mesmo caminho! (código para Google Maps – 56QF+4C Nessane )

Borracha no alcatrão de novo e decorridos apenas alguns minutos sou obrigado a parar pois dou de caras com mais um spot incrível.

(código para Google Maps – 6FHJ+JH Ese )

Como referi anteriormente em Fv13, e minha nossa senhora, que estrada. Tinha lido que era divinal, mas agora que a percorri está muito para além disso. É altura de ir montanha acima e enfiarmo-nos bem dentro dela para nos levar até Gaularfjellet Utsikten. Saliento que esta Fv13 faz parte duma rede nacional de estradas que se designam na Noruega como “National Scenic Routes”.

De volta à Fv13, várias localidades e paisagens que são uma verdadeira loucura de bonitas.

Nesta viagem tenho-me vindo a questionar se estou a colocar a fasquia demasiado alta, face a outros passeios que tenho em mente, ao ter elegido este como o meu primeiro grande passeio, a solo, fora de Portugal e Espanha. É certo que de carro e com a família já percorremos países lindíssimos, entre os quais a própria Noruega… mas de moto a coisa fica diferente. Não é melhor nem pior. É apenas diferente. Será que os outros países que tenho em mente percorrer estarão à altura?

(código para Google Maps – 7G5R+79 Sværafjorden )
(código para Google Maps – 7G7G+VC Sværafjorden )
As cinco fotos acima foram captadas mo mesmo local (código para Google Maps – 7G7G+VC Sværafjorden )

Início da subida vertiginosa até Gaularfjellet Utsikten (código para Google Maps – 9G4R+W8 Vetlefjorden )

A subida até ao miradouro de Gaularfjellet Utsikten faz-se em forma de passo de montanha o que é sempre fascinante. Vou ser franco. Chegados lá acima a paisagem é fascinante mas temos no norte de Portugal miradouros com paisagens mais arrebatadoras. Vale pela subida, vale e muito pela descida que se faz pelo outro lado. Mas esta é a minha opinião, vale o que vale.

Esta etapa estava quase a terminar mas ainda fui “obrigado” a parar algumas vezes para contemplar e registar o momento em foto.

(código para Google Maps – 87PR+W5 Vallestad )
Este rio acompanha-nos durante toa descida e tem spots incríveis. Rápidos, Cascatas, etc…
(código para Google Maps – 9658+W5 Vallestad )
(código para Google Maps – 96JP+97 Vallestad )
(código para Google Maps – C594+P9 Holsen )

Chegado a Skei instalei-me no hotel Thon. A vista do meu quarto é soberba.

Mais um grande dia

Tudo isto é muito bonito mas por trás estão os custos associados

  • Estadia – 127.00€ No Thon (Skei)
  • Refeições – 55.00€
  • Gasolina – 34.00€

Somando tudo dá 216.00€ mas faço notar que fiquei a meio do caminho para Stavanger.

(*) Estes consumos são retirados do computador de bordo da ST. No ínicio de cada dia faço reset a este parâmetro.
  • Percorridos – 531 km Horas efectivas de condução – 08h23m Total de horas em passeio – 11h16m
  • Altitude máxima – 749 m Moto – Yamaha Super Ténéré

Vídeo

  1. https://youtu.be/IoknpTgXV9k
  2. https://youtu.be/XTk8yLp6SoE
  3. https://youtu.be/K04cEMK31jQ

Wikilok

https://pt.wikiloc.com/trilhas-motociclismo/02-07-2021-nordkapp-seventh-stage-odda-to-skei-77233750

Honda ADV350 na The Silent Route

Honda ADV350 Tour & Fun Challenge. The Silent Route

O desafio tinha tanto de provocador como de entusiasmante. Viajar até Alcañiz, com a Honda ADV350, para assistir ao Grande Prémio de Aragon prova do Mundial de MotoGP. Pelo caminho, algumas das mais deliciosas estradas das províncias de Zaragoça, Teruel, Castellon, Tarragona e Barcelona. Incluindo a famosa The Silent Route. Simplesmente espantosa! Texto: Paulo Ribeiro […]

Continuar

Passeio pelas aldeias preservadas próximas do Porto

04-06-2022 Longe de mim pensar que iria hoje dar mais uma voltinha na minha ST, pois ontem quando consultei o “forecast” meteorológico indicava que choveria. Não foi o caso e ainda bem. Texto e fotos: Jorge Casais Continuando a “saga” de percorrer aldeias de Portugal lá planeei a visita a Couce, Castromil, Quintandona, Figueira, Cabroelo, […]

Continuar

Saga das aldeias preservadas em Portugal.

Aldeias de Ovelhinha, Boassas, Vale de Papas e Panchorra. Texto e fotos: Jorge Casais A ideia para este passeio foi visitar as aldeias de Ovelhinha, Boassas, Vale de Papas e Panchorra. Mas também revisitei as Ponte Românica de Panchorra e o Mosteiro de Santa Maria de Cárqueres. Novidades foram realmente as visitas efectivas às aldeias […]

Continuar