Santiago Duarte em WSSP300 Magny Cours: quando o azar bate à porta!

  • Texto: Fernando Pedrinho
  • Fotos: Rodri Merino

Foi muito curta a duração da presença de Santiago Duarte na sétima ronda do Mundial de Superbike, disputada na pista francesa de Nevers Magny-Cours. Uma falha mecânica colocou-o fora de ação numa altura crítica para aprender o complicado traçado da pista situada na região da Borgonha – Franco Condado, o que viria a traduzir-se no incumprimento do tempo mínimo para qualificar, colocando, desta forma, o piloto da Igreja Nova fora da grelha das corridas do fim-de-semana.

“Esta ronda não podia ter corrido pior”, disse-nos ‘Santi’. “Na sexta feira, geralmente utilizo o primeiro treino para conhecer e ganhar confiança com o traçado, mas aqui amanheceu com alguma chuva que deixou o piso molhado. Já no segundo treino, à tarde, passei toda a sessão com problemas na moto. Mal entrei em pista, senti logo que algo de estranho se passava com a minha YZF-R3, pelo que regressei, na volta seguinte, às boxes. A equipa solucionou o problema mas a embraiagem ficou a patinar imenso”. Só que o pior estava para vir, como as muitas imagens repetidas na TV e redes sociais o demonstram. “O motor partiu e verteu muito óleo. Já no sábado, depois da equipa o ter refeito, tive entrar com alguma calma para rodar o motor, mas na prática era como se fosse a minha primeira sessão de treinos [quando os seus adversários, além de mais experientes e rodados, acumulavam já duas sessões de treinos completas e estavam ao ataque]”.

O piloto da MS Racing, que viu o seu colega Unai Orradre alinhar na Supersport com a moto habitualmente entregue ao seu colega de equipa Pavel Skopek, acabou por falhar o tempo mínimo de qualificação “por umas míseras décimas”, disse o jovem do Concelho de Mafra. Adrian Huertas, o grande dominador da prova francesa na Ninja 400 da MTM Kawasaki, qualificou na ‘Superpole’ com o crono de 1’52’’918, o que significa que o tempo mínimo de qualificação (107% da ‘pole’) ficou estabelecido nos 2’00’’823. O piloto luso acabou por ser o único a rodar acima de 1’59’’, falhando a qualificação por cerca de sete décimas e meia de segundo.

“Isto faz parte das corridas e já deitei para trás das costas o que se passou, estando já concentrado na prova de Barcelona, dentro de duas semanas”. Força Santi, melhores dias estão para vir.

Honda Hornet

Honda CB750 Hornet. Recomeço de uma história de sucesso

Herdeira de um nome de peso na indústria motociclística, a Honda CB750 Hornet marca o recomeço de uma história de sucesso. Com todo um universo de novidades face às antecessoras, a nova Hornet, cujo vídeo de apresentação pode ser visto aqui, promete fazer jus a um nome que, há quase um quarto de século de […]

Continuar
Honda CB750 Hornet

Honda CB750 Hornet. O vídeo

A Honda CB750 Hornet está de regresso com um motor inteiramente novo e um quadro especificamente desenvolvido para esta moto. Afinal, diversão, agilidade e versatilidade (além da rapidez e facilidade…) são o mote da nova ‘naked’ japonesa que promete agitar o segmento. Aliás, basta olhar para a potência máxima, de 91 cavalos às 9500 rpm […]

Continuar
Honda CB750 Hornet

Honda CB750 Hornet. Heresia ou paradoxo?

Herdeira de um forte reinado entre as ‘naked’, a nova Honda CB750 Hornet despertou muita discussão desde o primeiro momento. Estaria o respeitado nome criado em 1998 posto em causa? Seria o modelo agora dotado de motor de dois cilindros paralelos capaz de cumprir as expetativas de quem sonhava com um quatro-em-linha? Como se enquadraria […]

Continuar