Honda CBR600RR. O vídeo

A Honda CBR600RR marcou gerações ao ser o exemplo que estabeleceu referências. Esteve ausente do mercado europeu desde 2017 e volta agora melhor do que nunca! O Autódromo Internacional do Algarve foi palco da apresentação da nova Supersport, comprovando, na prática, a evolução qualitativa do modelo. Está mais leve, mais potente mas, sobretudo, muito mais ágil e fácil de pilotar.

  • Por: Alberto Pires
  • Imagens: Dom Read-Jones, Chris Read-Jones, Rowan Muskin e Joe Dick
  • Realização e montagem: Alberto Pires

Com a Honda CBR600RR tudo parece fácil. O ressurgir do interesse pelas Supersport na Europa levou o maior fabricante do Mundo a disponibilizar o modelo estreado em 2021 na Austrália e Japão. Uma referência no segmento cuja evolução nunca foi interrompida. E que, dos 85 cavalos da versão de 1987, chega agora perto dos 120 cv, aconchegados por uma eletrónica extremamente eficaz mas nada intrusiva.

Honda CBR600RR

Por fora, as maiores alterações estéticas da nova Honda CBR600RR assentam no depósito mais achatado, a frente mais afiada e as carenagens laterais distintas, incluindo pequenas asas onde costumam estar os piscas indicadores de mudança de direção. Quanto ao quadro, de dupla trave em alumínio, é o mesmo da versão anterior, mas a forquilha invertida Showa Big Piston com 41 mm viu a flexibilidade revista. Enquanto isso, na traseira, o braço oscilante surge mais mais leve 150 gramas, mantendo-se o amortecedor Showa, completamente ajustável, surgindo um amortecedor de direção, controlado pela ECU, que varia a sua ação em função da velocidade.

Mais estabilidade e rapidez

Com a geometria ligeiramente alterada, a Honda CBR600RR apresenta um novo compromisso entre estabilidade e rapidez na entrada em curva. A distância entre eixos foi reduzida 5 mm, o ângulo da forquilha aumentou de 23º55′ para 24º 06′ e o trail 2 mm. Com um peso final de 193 kg (-3 kg face ao anterior modelo) os movimentos de mudança de ângulo são mais rápidos. Também o motor foi alvo de revisão nos seus componentes fundamentais relativamente à versão de 2017. Aumentar o regime máximo, reduzir o peso para uma mais rápida aceleração e menor inércia nas mudanças de direção foi o objetivo.

Para isso os corpos de admissão passaram de 40 mm para 44 mm, as condutas optimizadas na sua configuração, as árvores de cames são mais finas e leves e as molas das válvulas mais finas e com maior resistência. Além das mudanças no cruzamento das válvulas, o escape da Honda CBR600RR tem coletores de menor diâmetro, enquanto o catalisador aumentou de tamanho e mudou de posição. Desta forma respeita as normas Euro5+ num motor que faz mais rotações.

Também para as pistas…

Em termos eletrónicos, há 3 modos de condução pré definidos e mais dois programáveis, com possibilidade de seleção em andamento. Assim, são 5 os níveis de potência, 3 intensidades de travão motor, 3 amplitudes de controlo de cavalinho e 9 níveis de controlo de tração. Além da possibilidade de opção entre as três intensidades na pressão do seletor de velocidades do ‘quick-shifter’.

Com um unidade de medição Inercial (IMU) Bosch MM7.10 de seis eixos igual à da CBR 1000RR-R SP, a Honda CBR600RR gere de forma exemplar o controlo de tração, o ABS, o levantar da roda dianteira em aceleração e da traseira na travagem. Seja como for, o motor é suficientemente linear impedindo a definição exata do ponto em que dispara. Nesse sentido, tem ainda a contribuição da caixa de velocidades com nova combinação de carretos e uma relação final aumentada para 42 dentes. Dessa forma acelera com mais energia, preferindo rotações em pista acima das 7.000 rpm. Além disso ainda mostra alguma alegria mais acima das 12.000 rpm!

Em suma, a Honda CBR600RR surge como forte aposta comercial face ao crescimento das Supersport, sendo excelente opção para quem pretenda competir nessa classe com uma moto em elevado grau de desenvolvimento. Finalmente, é excelente para quem pretende sentir as emoções de uma desportiva em pista, evoluindo em todos os domínios da sua condução de forma consciente e consistente. No entanto, se quer mais pormenores, nada como ler o teste completo aqui.

Comments are closed.