Suzuki GSR-RR. Ergonomia e aerodinâmica!

Em equipa que ganha, pouco se mexe!

Com a temporada de MotoGP apenas iniciada com a ronda dupla em Losail, no Catar, as novidades surgiram desde logo nos testes realizados uma semana antes. Exibindo o título mundial de pilotos alcançado por Joan Mir no ano passado, não se esperavam grandes alterações no protótipo da casa de Hamamatsu, o que se veio a confirmar. Afinal de contas, em equipa vencedora não se mexe… ou mexe-se, mas pouco!

Texto: Fernando Pedrinho

Imagens: Team Suzuki Ecstar, Gareth Hartford, Peter Blom

A versão 2021 em ação em Losail, no Qatar, com Joan Mir

Consideradas como das motos mais equilibradas e polivalentes da grelha de MotoGP, não eram esperadas alterações radicais nas GSR-RR de Joan Mir e Alex Rins, algo que foi confirmado pro Shinichi Sahara, o diretor do projeto MotoGP da Suzuki. É sabido que a equipa testou diversas configurações de motor e braço oscilante, entre diversas outras soluções.

Contudo, o aspecto mais evidente passa pelos apoios para os joelhos que voltam a ladear o reservatório de combustível. Com níveis de prestações cada vez mais elevados, não só as MotoGP da atualidade aceleram mais e alcançam maior velocidade, como são obrigadas a desacelerar na mesma proporção.


Uma vasta área rugosa ladeia o reservatório de combustível para permitir um melhor apoio da perna
exterior da curva e ajudar na mudança de direç
ão

Estes apoios surgem no seguimento da moda iniciada por Valentino Rossi de esticar para fora da moto, durante a travagem, a perna do lado interior da curva. Isto leva a que a outra perna tenha de conseguir um bom apoio, junto com os antebraços, debaixo da forte força de desaceleração que os travões de carbono e os pneus ‘slick’ autorizam, superando mesmo 1g. Imaginem que o piloto se tinha de apoiar com um irmão gémeo às cavalitas!

É assim que voltamos a ver nas Suzuki oficiais um prolongamento do tanque para trás e para baixo, sobrepondo-se às traves do quadro, com uma vasta área preenchida com pequenos pitões que garantem uma maior aderência do fato do piloto a esta zona da moto, de modo a poder descarregar parte do esforço inercial a que o mesmo é sujeito e ajudando ainda nas mudanças de direção.


va traseira mais elaborada aerodinamicamente com dois extratores escavados lateralmente.
Ao centro, a câmara de filmar colocada atrás do piloto

A traseira também surge mais elaborada aerodinamicamente, mantendo o desejado formato pontiagudo, o mais semelhante a um perfil de gota de água, para diminuir o arrasto aerodinâmico. As semelhanças com a traseira da nova GSX-1300R Hayabusa são evidentes e resultam do aturado trabalho de desenvolvimento aerodinâmico em túnel de vento.

Não sendo as motos mais rápidas da grelha – mas ao pé dos mísseis da Ducati ninguém é – a eficiência aerodinâmica está largamente comprovada em termos de necessidade em várias áreas, desde a velocidade, à aceleração, agilidade e aderência da frente em curvas de alta velocidade ou na tendência anti-cavalinho.


Atentem nas semelhanças entre a traseira – aqui num modelo em barro – da nova Hayabusa e a GSX-RR de MotoGP

Na frente, a Suzuki voltou a optar pelas asas biplano, à imagem de quase todos os outros construtores. Os biplanos têm a vantagem de requerer muito menos envergadura para conseguirem o mesmo efeito de sustentação (negativa no caso das motos). Finalmente, uma referência para o espetacular escape de dupla saída lateral, realizado pela Akrapovic, de que vos deixamos uma flamejante foto tirada por Gareth Hartford.

O estranho mundo dos Sidecars

Não são motos, apesar do motor, nem são automóveis porque lhes falta uma roda.

Continuar

Regulamento de Superbikes. Alterações substanciais já em 2024

O regulamento técnico do Mundial de Superbike vai levar a maior reviravolta dos últimos tempos. DORNA, FIM e construtores lograram um improvável consenso tendo em vista a sustentabilidade do campeonato, olhando para a segurança, espetáculo, equilíbrio e ambiente. Sem a contestação que seria de esperar, as marcas e equipas estão já a trabalhar nas diferentes […]

Continuar

Yamaha XMAX 300 TechMAX. O vídeo

Exibindo orgulhosamente o ADN familiar, a Yamaha XMAX 300 TechMAX surge revitalizada. Ganhou design mais agressivo, de linhas mais acutilantes, mas sem romper com um passado glorioso. Além disso, sem esconder traços genéticos, surge também com maneabilidade acrescida. Não só no trânsito urbano, mas também em pequenas viagens, mantendo as rodas ‘grandes’, de 15 e […]

Continuar