EICMA 2022. Kove

Foi, sem dúvida, uma das marcas que maior curiosidade despertou na 79.ª Esposizione Internazionale delle Due Ruotte. Na EICMA 2022, a Kove mostrou uma trail de grande cilindrada, máquinas de motocrosse e até a versão final da quatro-e-meio que vai alinhar no próximo Rali Dakar. Mas o que é, afinal, a Kove e quais são as suas reais ambições? E quem vai distribuir a marca em Portugal? Seguem-se as respostas!

Kove 800X Super Adventure no EICMA 2022
  • Texto: Paulo Ribeiro
  • Fotos: P.R.

O nome era acolhido com esgares de surpresa, olhos semicerrados em jeito de desconhecimento e desconfiança. Como eram olhadas grande parte das máquinas oriundas do país mais populoso do Mundo. Mas, em Milão, algo parece ter mudado. Não foi um momento de rotura, antes aquele que parece ser novo ponto de viragem no panorama mundial das duas rodas.

O momento em que os fabricantes chineses assumem, em definitivo, a vontade de ultrapassar fronteiras. De estilhaçar preconceitos e mostrar ao Mundo que a longa experiência com motores de pequena cilindrada e as parcerias com marcas estabelecidas, japonesas e europeias, pode dar outros frutos. Afinal a Kove, tal como a QJ MOTOR, CFMOTO, Voge, Zeeho, Qiangjiang, Keeway, Yadea, Horwin ou a Felo, está noutra fase. Tal como, noutro patamar, a Zongshen, Loncin, Jianshe, Lifan ou a Jialing. São nomes que vamos ter de aprender a pronunciar e que, muito rapidamente, vão multiplicar-se pela Europa.

Kove na EICMA 2022

De onde surge a Kove?

Antes de mais, explicar que a Kove não é um fabricante completamente novo. É, antes de mais, e desde 2017, uma marca registada pela Tibet Summit Colove Motorcycles Co, Ltd, ou simplesmente Colove. Que também comercializou modelos sob o nome Excelle. E, que integra o grupo Tibet New Everest Industrial Group, empresa nascida em 1995 no Tibete. O nome Kove, tal como Kove Hyper, foi recentemente registado para ser utilizado em motociclos, ciclomotores, scooters, veículos elétricos e diversos componentes para motociclos. Parece, afinal, tratar-se da confirmação da vontade de internacionalização já anunciada pelo fundador da marca, Zhang Xue.

Um nome mais facilmente percetível e sonante que ajudará também, a desfazer a ideia de que os modelos fabricados eram única e exclusivamente cópias de consagradas produções nipónicas e europeias. E basta atentar nos motores utilizados em boa parte das propostas do catálogo para perceber que são oriundos da Honda CB500 (através da Loncin) ou da KTM (via CFMOTO).

  • EICMA 2022. Kove
  • EICMA 2022. Kove

Com as principais fábricas em Chongqing (a maior cidade-província da China) e Chendgu (Sichuan), e outras unidades industriais em Taizhou (Zhejiang), Jiangmen (Guangdong), Yanshi (Henan), Xinhua (Henan), Renqiu (Hebei) e Linyi (Shandong), a Kove aposta em vender mais de 100 mil veículos em todo o Mundo em 2023. Ano em que anunciou marcar presença no Rali Dakar, com a 450 Rally Factory entregue a 3 pilotos apoiados pela fábrica. Bem como na categoria de Supersport 300 do Mundial de Superbikes, com a 321RR.

  • EICMA 2022. Kove
  • EICMA 2022. Kove

Gama em crescendo de ambição

Ambições assentes numa gama de produtos em crescendo e onde se destaca um motor que vai contra todas as expetativas. Trata-se de um bloco de 4 cilindros em linha, de 399 cc, duas árvores de cames à cabeça, 8 válvulas e injeção eletrónica Bosch. Com cotas internas de 59 x 36,5 mm promete atingir as 16 000 rotações por minuto (!!) e disponibilizar potência máxima de 72,4 cv (13.500 rpm). O problema deste motor poderá residir nos apertados limites da norma Euro5, que matou os motores mais rotativos, incluindo os 600 cc das supersport.

Kove 400RR na EICMA 2022

Modelo que se assume como o ‘next step’ relativamente à Kove 321RR S, com motor de dois cilindros paralelos, duas árvores de cames à cabeça e oito válvulas. Porém, as medidas internas (68 mm de diâmetro e 44,2 mm de curso) são extremamente parecidas às da Yamaha YZF-R3. A única diferença reside num simples milímetro a mais no curso. O que, por seu turno, levou a alterações na taxa de compressão, de 12,5:1 ao invés dos 11,2:1 da japonesa. A potência acaba por equivaler-se com 42 cavalos em ambos os casos, sendo atingidos às 10 750 rpm na Yamaha e às 11 000 rpm na Kove

Também o quadro em forma de diamante apresenta grandes semelhanças com a R3, residindo as diferenças no capítulo dos componentes periféricos. Da medida dos travões (320/240 mm vs. 298/220 mm), na forquilha invertida (41 mm de diâmetro e 125 mm de curso contra 130 mm), no pneu traseiro (150/60 vs. 140/70). A altura do banco é maior na Kove (800 mm vs. 780 mm) e a distância entre eixos é menor (1370 vs. 1380 mm) tal como o peso (156 kg contra 167 kg!!!). Números anunciados pela marca na informação disponibilizada, mas que carecem de confirmação, tal como o preço final.

Quem vai trazer a 800X para Portugal?

Entre os modelos mais atrativos da gama da Kove para o mercado nacional, destacava-se no certame milanês a 800X Super Adventure. Com imagem que parece inspirada noutra Yamaha, no caso a Ténéré, e motor com as medidas do KTM LC8 (799 cc, 88 mm x 65,7 mm). Oriundo da 790 e utilizado pela CFMOTO na sua 800MT, debita 97 cavalos/9000 rpm e 80 Nm de binário às 7500 rpm, para um peso anunciado de 183 kg em ordem de marcha.

Banco a 830 mm do solo, suspensão inteiramente regulável e com 210 mm de curso e depósito de 22 litros são, no papel, trunfos a levar em conta no momento da escolha. Tal como as rodas raiadas de 18 polegadas atrás e 21” na dianteira, confirmando a vocação para rolar por maus caminhos. Números que, juntamente com uma imagem moderna e atrativa, justificam a grande surpresa vivida em Milão, em proposta que parece referencial no segmento da moda para os que buscam trilhos de aventura. E que criam expetativas redobradas face à possibilidade de um teste dinâmico.

Algo que poderá acontecer em 2023 a confirmar-se a importação para Portugal através de um conhecido grupo espanhol. A MotoX.pt sabe que decorrem as negociações (não confirmadas!) entre a Kove e Motos Bordoy, que distribui, entre outras, a QJ MOTOR e a Macbor. Aliás, algumas eventuais divergências negociais poderão estar exatamente na marca própria do grupo catalão já que um dos modelos de maior sucesso, a Montana XR5 é fabricada pela Tibet New Summit Motor Co, Ltd. Sendo que a quarta maior marca chinesa acima de 300 cc comercializa, inclusive, um modelo exatamente igual sob a designação 510X Hyper Adventure!

A Kawasentos Novazaki

Texto e fotos: Alex Kossack Uma das memórias mais vívidas e mais marcantes que tenho de quando era miúdo, memória que sem dúvida talhou e me incutiu este gosto por motas, foi a Kawasaki 900, a Z1, a verdadeira Kawasentos Novazaki, e foi também a primeira moto a sério em que andei. Foi ainda antes […]

Continuar
Honda CB750 Hornet

Honda CB750 Hornet. O vídeo

A Honda CB750 Hornet está de regresso com um motor inteiramente novo e um quadro especificamente desenvolvido para esta moto. Afinal, diversão, agilidade e versatilidade (além da rapidez e facilidade…) são o mote da nova ‘naked’ japonesa que promete agitar o segmento. Aliás, basta olhar para a potência máxima, de 91 cavalos às 9500 rpm […]

Continuar
Honda CB750 Hornet

Honda CB750 Hornet. Heresia ou paradoxo?

Herdeira de um forte reinado entre as ‘naked’, a nova Honda CB750 Hornet despertou muita discussão desde o primeiro momento. Estaria o respeitado nome criado em 1998 posto em causa? Seria o modelo agora dotado de motor de dois cilindros paralelos capaz de cumprir as expetativas de quem sonhava com um quatro-em-linha? Como se enquadraria […]

Continuar