Cromado pra chuchu ( em inglês …”over restauring” )!

  • Texto: Mário Campos

Também nas motos, o(s) cromado(s) teve(iveram) uma vida difícil !

Nos anos ’50 e ’60, tiveram o seu apogeu, com as motos britânicas, americanas, francesas, alemãs, italianas, maioritariamente a duas cores: preto e… cromado(s).

Nas décadas de 70 e 80, as cores invadiram o nosso mundo das motos, e o “desgraçado” do preto (cor,… carago ! ) foi à vida!

Qual a cor mais famosa dessa altura ?

Pois, indiscutivelmente, a cor Candy Gold, que apareceu na Honda CB 750 Four ( é a foto escolida para ilustrar o artigo! ).

O(s) cromado(s) não desapareceram, como desapareceu o preto ( …a cor, carago !), mas atenuaram a sua presença significativamente.

Deixamos a “cena mundial”, num salto de flic-flac à retaguarda, e passamos para uma cena regional, por exemplo, o Porto ( …a cidade, carago !), nessas décadas de 70 e 80 e 90 !

Na cena motociclística do Porto, que em 90% dos casos era composta por “cinquentinhas e 125´s” (!), os cromados eram um horror.!

Quem os tivesse na moto ou na motorizada, era um “azeiteiro ” !

O que era um “azeiteiro” ?

Pois, entre outras coisas repelentes, era um gajo sem gosto nem apresentação nenhuma, que usava o crucifixo dourado, no meio da “mata” de pêlos do peito (o que já era horrível ) mas que ficava pior com a camisa aberta até ao umbigo.

Usava também um cintinho branco, com a ponta de 15 ou 20 cm, descaída, na penúltima presilha das calças. Não quero descrever mais pormenores, porque acho que já chega, e eu tive alguns amigos que não vão gostar de ler esta definição.

Creio que na zona de Lisboa, se chamavam parolos, e no Algarve num faço a mínima ideia, talvez por andarem todos misturados ( os azeiteiros e os parolos portugueses com os outros azeiteiros e parolos, de todas as nacionalidades ).

Este “ódio” ao cromado deu muitos lucros à famosa Rilnor, em Leça da Palmeira, onde todos nós levávamos as peças cromadas, para…”emborrachar” ( termo evidentemente nortenho dado que vem de borracheira…), quase sempre de preto.

Claro que o termo técnico, era….RILSANIZAÇÂO, mas na gíria dizíamos “emborrachar”, dado que o metal ficava coberto por uma espécie de capa de borracha.

Fui muitas vezes à Rilnor, para emborrachar peças das minha motos, e talvez a que tive mais “emborrachada” tenha a sido a Suzuki TS 125 ER de 1980 ( Ok,… ok…, querem ir ao Google ver que moto é ! ).

Eu espero.

Já foram ? A minha era vermelha.

Guiador, manetes, grelhas metálicas do escape, hastes dos espelhos, pega do passageiro, etc, deixaram de ser cromadas e passaram a ser em preto !

E assim se mantiveram, por largos anos !

Regressemos à “cena mundial ” motociclística, actualmente, e o regresso do cromado!

Em força, em quase todos os segmentos, profusamente espalhado, o cromado !

“Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, mudam-se os conceitos” já o dizia o Tino de Rans, aquando da sua primeira candidatura na política, há cerca de 40 anos.

Pois é !

Hoje em dia, já (quase ) não há azeiteiros no Porto, no que concerne às pinturas das motos!

Desapareceu também o crucifixo no matagal ( do peito ), e até o cintinho branco foi ultrapassado pelos suspensórios.

As motos, retro-clássicas, café-racers, scramblers, clássicas, com os seu magníficos cromados reluzentes, converteram as velhas imagens estereotipadas ( cum catano, como é que se escreve isto ?) do passado, num insuspeito e (quase) impossível de criticar no presente !

A Rilnor ( ainda existe ! ) mas já não tem motociclistas a entregar à porta as peças para “emborrachar “.

Eu me confesso!

Se hoje, a minha TS 125 ER vermelha me voltasse às mãos eu retirava os “emborrachamentos”, e voltava a colocar as ditas peças de…”orige “!

Pronto , está dito.

Uffff!

Tereis reparado, nas duas vezes que usei a palavra, entre parentesis….. …”quase” ?

“Hoje em dia, já ( quase ) não há azeiteiros no Porto….” ?

” Num insuspeito e… (quase ) impossível de criticar” ?

Atão num é que, há dias, de visita a um garageiro (chama-se mecânico em Lisboa, e técnico oficinal no Algarve ), aqui do Porto, “bou” dar ,com uma Zundapp XF 17 ( pela última vez, ide… ide lá, ao Google ver o que é! ), cujo dono, num anseio desmedido de…” botar a moto o mais cromada possível” ( explicação dada pelo garageiro… ), para ficar (outra ) vez na moda, mandou… mandou… mandou… mandou… cromar… cromar… cromar… a CORRENTE/CREMALHEIRA/PINHÂO ?!?!?!?!?

À seu….seu…seu… AZEITEIRO !

Álvaro Bautista e Giulio Nava: a dupla (finalmente) campeã mundial!

Foram sete os anos necessários para Álvaro Bautista e Giulio Nava, o seu chefe de equipa, alcançarem o título mundial de Superbike, depois de uma entrada de rompante em 2019 na estreia da Ducati Panigale V4R. Namoro e separação em MotoGP, foi o Mundial de Superbike que os voltou a juntar, até hoje, num percurso […]

Continuar

Ai Ogura e Tony Arbolino. Treina como corres, corre como treinas!

A frase motivacional é uma variante da originária do exército norte-americano que relaciona o treino com o combate. No motociclismo isso é aplicável a dois dos protagonistas da corrida do Mundial de Moto2 no circuito malaio de Sepang: Ai Ogura e Tony Arbolino. Texto: Fernando Pedrinho Ai Ogura pode ter hipotecado as suas hipóteses para […]

Continuar

Os Fios da vida, e quando vemos a vida por fios.

Há já alguns tempos tinha mencionado e falado sobre os frágeis fios da vida, esses finos cabos que nos seguram nesta vida. Finos como cabelos, resistentes como corda de piano, frágeis como linho. Falíveis e amiúde maltratados, normalmente por apelo da inconsciência ou por patetas ávidos por aprovação alheia. Texto e fotos: Alex Kossack Não […]

Continuar