BMW HP4 Race. Sem limites!

Não basta querer, é preciso saber e conseguir fazer. Mais do que uma moto, esta BMW HP4 Race é uma afirmação de poder!

BMW HP4 Race
  • Texto: Alberto Pires
  • Fotos: BMW

As versões HP foram sempre vistas pela divisão Motorsport como a moto que deveria ser apresentada ao público se a marca não tivesse como objetivo ser tão abrangente. Desta vez o desafio foi muito mais sério! A referência passou a ser a versão de SBK e não a de estrada, e destinada a ser utilizada exclusivamente em pista. Como vantagens, o facto de estar liberta de todas as condicionantes relacionadas com as homologações, desde faróis, espelhos e restrições ao nível das emissões. Como única limitação o fato de terem que produzir 750 unidades da BMW HP4 Race!

Esta quantidade já obriga à industrialização do fabrico, exigindo procedimentos e técnicas distintas. O elemento central e distinto desta HP4 é sem dúvida o quadro em carbono. A experiência da BMW com os i3 e i8 foi fundamental, mas, ainda assim, obrigou a estudos aprofundados já que as exigências a que seria sujeito são muito distintas.

BMW HP4 Race

Contudo o resultado final ultrapassou as expectativas e os testes efetuados confirma a sua segurança, sendo infundados quaisquer receios relativamente à sua resistência. Além disso, pesa apenas 7,8 kg, representa um ganho de 4 kg. A redução do peso através do carbono estendeu-se ao sub quadro e a toda a estrutura frontal, passando também pelas carenagens e banco. Para terminar em beleza, as jantes recorrem também ao carbono, tendo sido desenvolvido um novo processo de fabrico que lhes conferem uma resistência extraordinária, para além de serem 30% mais leves que as forjadas em alumínio! A excelência não se fica por aqui.

Pormenores de excelência

As suspensões recorrem ao que de melhor é produzido pela Öhlins, com um amortecedor TTX 36 GP na traseira e uma forquilha FGR 300 na dianteira. Ao nível dos travões a solução encontrada não podia ser mais simples, as pinças escolhidas para a dianteira foram as monobloco GP4 PR, com discos de 320 mm e 6,75 mm de espessura. Ou seja, exatamente o mesmo equipamento que se encontra na SBK oficial, opções que se revelaram também desafiantes para os dois fornecedores já que, para a Brembo por exemplo, implicou mais do que duplicar o fabrico da sua mais sofisticada pinça de travão!

Relativamente ao motor a escolha foi curiosa e mostra que esta BMW HP4 Race foi pensada para rodar. A opção recaiu sobre um cocktail entre a versão 7.2 de SBK e a 6.2 destinada ao mundial de resistência, retirando-se desta unidade o sistema de válvulas, capaz de fazer 5.000 quilómetros entre cada revisão. Todos os motores são rodados e a marca garante pelo menos 215 cv às 13.900 rpm, com a zona vermelha esticada até às 14.500 rpm.

A caixa de velocidades foi encurtada e a gestão electrónica é a mesma da SBK, oferecendo 14 níveis de travão motor, igual número no controlo de tração, 4 modos de condução e uma infinidade de sensores e opções.

Eficácia absoluta em pista

BMW HP4 Race

Após algumas voltas aos comandos de uma BMW S1000RR, com a dupla valência de tirar as medidas à pista e melhor perceber a diferença, sentamo-nos em cima da HP4, curiosamente a nº1 de 750. A posição é mais desportiva já que a altura do banco, colocado na posição intermédia, é ligeiramente mas alta que a original, mas não é desconfortável, apesar da fina camada de espuma tornar tudo mais direto. Está de acordo com o restante, o motor reage a cada décima de milímetro de rotação do punho direito e o seletor da caixa pouco mais do que isso precisa para engrenar a seguinte relação.

Neste primeiro turno utilizamos o modo “INT”, com bastante travão motor e controlo de tração, e nota-se que está tudo muito civilizado. É a escolha acertada para nos habituarmos à rigidez dos slicks Pirelli SC2, tornando tudo mais preciso e, simultaneamente, melhor perceber a rapidez da mudança de direção.

BMW HP4 Race

A cada volta que passa o puzzle começa a ganhar definição. À precisão de entrada em curva e à rapidez de reação começamos a adicionar uma travagem cujos limites não param de surpreender. Dois dedos são suficientes para travar mais do que o necessário, sendo simultaneamente progressiva para, a meio do exercício, disfarçarmos o exagero inicial.

O acionamento da caixa de velocidades tem menos curso que o da versão de estrada e mal se percebe o corte na ignição, funcionando igualmente bem nas reduções, não necessitando da utilização da embraiagem. A troca de velocidades pode-se fazer pouco acima das 10.000 rpm já que a seguinte cai nas 9.000 rpm, em cima do binário máximo, e a proteção oferecida pelo ecrã mais elevado é útil para aumentar a concentração. A leitura do painel é boa nas boxes mas ao longo da pista é quase ilegível.

BMW HP4 Race

Confiança (e eficácia…) acrescida

Acabei por me concentrar apenas no cronómetro, para me situar em termos de progressão, e nas luzes que estão no topo para trocar de caixa na reta principal. O excesso de controlo de tração impedia no entanto que a HP4 se manifestasse em todo o seu esplendor, mas no turno seguinte, em modo “Dry1”, com o DTC numa posição inferior, tudo mudaria.

Mantendo o empenho, nota-se claramente que chegamos mais depressa a cada uma das curvas, e só mantemos o ponto de travagem porque nas voltas anteriores o conjunto Brembo insistentemente nos mostrou que não havia necessidade de tantas preocupações. Por outro lado, é curiosa também a forma como passámos a sentir os SC2, deixámos de ficar impressionados com a precisão e agilidade e o que sobressai agora é a aderência em apoio.

BMW HP4 Race no Estoril

Com efeito, na parabólica exterior temos até tempo para sentir qual a diferença entre acelerar e ver o que acontece ou, simplesmente, deitar mais e aproximar da corda, tentando perceber qual das opções é que permitia uma saída mais rápida. Dessa forma, mudei um pouco a trajetória habitual e optei pela que vi o Jurgen Fuchs fazer no início, alargando a meio através da aceleração e procurando a corda já perto do fim. É neste momento que percebemos onde estão os 79.000 €.

BMW HP4 Race no Estoril

O sorriso de agradecimento

Com efeito, a ciclística encaixa o esforço, permitindo sair muito mais depressa do que alguma vez pensei ser possível e só tenho que me preocupar com a chegada das 14.000 rpm. Aliás, bem anunciadas através da luz vermelha no painel, para ir trocando de caixa, tudo isto com o capacete a esconder um enorme sorriso. Podia ainda ter explorado o potencial de configuração, alterando os modos e os parâmetros de travão motor e controlo de tração nos botões situados no punho esquerdo, mas preferi concentrar-me em fazer o meu melhor com o que me era proposto. Como resultado, acabei por melhorar o meu melhor tempo em mais de quatro segundos. Obrigado HP4 Race, dificilmente farei melhor!

Num momento em que se discute a extinção das SBK atuais em favor de algo mecanicamente mais simples e eletronicamente mais acessível, a BMW oferece a possibilidade de adquirir uma moto que só não pode alinhar nesse campeonato porque é, na realidade, mas evoluída. Em síntese, esta HP4 Race pode ficar na história como a moto que ostentou o que de melhor algum dia existiu nas SBK e, simultaneamente, iniciou um novo capítulo no que à utilização dos materiais compósitos diz respeito.

Para terminar, o vídeo realizado durante a apresentação desta HP4 no Autódromo do Estoril.

Christian Gonschor. Responsável pelo projeto BMW HP4 Race

Há desafios imperdíveis. Fabricar setecentas e cinquenta superbikes num ano é um deles!

MotoX – Foi há cerca de um ano que ouvimos dizer pela primeira vez que a BMW ia criar uma S1000RR com quadro em carbono. Quando é que a decidiram mesmo fazer?

Christian Gonschor – Foi no início de 2014, já estávamos a desenvolver a terceira geração da RR…

MotoX– Ficou decidido nesse momento que seria exclusivamente para utilização em pista?

C.G. – Teria que ser a moto mais performante em pista, a mais potente e a mais inovadora, pensando já na fibra de carbono.

MotoX – De tudo o que está à vista, o braço oscilante é o que parece menos excelente…

C.G. – Pode parecer menos que os outros, e parecido com o de série, mas é completamente novo e racing. A parte principal é feita a partir de uma peça maciça, não parece mas é uma peça de enorme tecnologia. Podíamos também fazer um em carbono mas íamos reduzir penas um quilo. O quadro é 4 quilos mais leve. Não havia necessidade.

MotoX – Na injeção, porque não usaram o sistema de borboletas de abertura parcial do ano passado?

Sem limitações

C. G. – Fizemos o que quisemos nesta BMW HP4 Race, sem limitações. Mas para usar toda a electrónica de SBK tínhamos que usar o o sistema de injeção da SBK. Todo o ECU é o mesmo, o sistema de calibração é o mesmo. Tudo é igual, não é uma réplica, é o mesmo.

MotoX – Quantos testes fizeram?

C. G. – Foram feitos mais de 50.000 quilómetros, com mais de 20 pilotos, alguns campeões como David Giuliano, Rafael de Rosa e Reiterberger por exemplo, e em muitas pistas, como Aragon, Jerez, Cartagena, etc.

MotoX – O que o orgulha mais ?

C. G. – O equilíbrio da moto, é mesmo fascinante, mas também o quadro, realmente inovador, e foi um desafio que conseguimos levar a cabo. Ser a primeira marca a industrializar este processo, com a mesma qualidade, tolerâncias e peso, isso é uma desafio técnico de produção fabuloso.

MotoX – Quantos anos temos que esperar para o ver numa moto de estrada?

C. G. – O processo está feito, apenas temos que esperar algum tempo para que as pessoas percebam o que está ali, o passo seguinte não tardará.

Elmar Jaeger. Especialista em fibra de carbono.

Mais do que encontrar uma solução para industrializar o quadro havia que dissipar toda e qualquer dúvida relativamente à sua segurança.

MotoX – Custa-me a imaginar o seu caderno de encargos. Quais foram as prioridades para criar o quadro da BMW HP4 Race?

Elmar Jaeger – O quadro deve ser seguro numa utilização intensiva durante pelo menos 15 a 20 anos. Tem também que ser feito numa só peça, não pode ter colas, porque senão isso não garante a duração ao longo do tempo. Outro problema é a forma de o fazer. Uma coisa é fazer um protótipo, outra é fazer em série. A tecnologia é igual à que se faz nos automóveis, i3 e i8. É absolutamente exclusivo da marca. A tecnologia teve apenas que ser optimizada para fazer isto.

MotoX – Como se certificaram relativamente à segurança?

E. J. – Tivemos que criar novos testes. Simular os tipos de pancadas mais violentas e ver como é que se comportava. Foram também simuladas condições ambientais, desde o sol até à exposição ao sal. Todos os tipos de utilização abusiva, como por exemplo cavalinhos, para ver como se comportava a coluna de direção. Criámos robôs para simular situações de utilização. Num deles, em três semanas conseguimos simular a utilização do quadro na Ilha de Man em quinze anos!

A toda a prova

MotoX – O seja, o quadro é o elemento mais sólido da BMW HP4 Race!

E. J. – Sem dúvida! Nos testes extremos, em que se faziam forças de deformação para ver quando e onde é que algum componente parte, o que cedia eram sempre as peças circundantes, como a suspensão, o braço oscilante e as ligações dos vários elementos. É esta também uma das razões para o braço oscilante não ser em carbono, tem que haver algo a partir antes do quadro. Se a frente e a traseira estiverem bem, o quadro está bem.

MotoX. – E relativamente às jantes?

E. J. – Criámos uma nova forma de tecer a fibra, como se fosse um tubo infinito, para ser mais resistente. Revelou-se muito mais resistente que as de alumínio ou magnésio, já que deforma e regressa ao ponto. Para testar a estrutura, deformámos uma e colocámos-lhe uma câmara de ar no interior. Fez mais 1354 km, até que uma fibra furou a borracha. Se mantiver a pressão de ar é porque está boa!

BMW HP4 Race. Ficha Técnica

  • Características
  • Motor
  • Tipo: 4T, quatro cilindros em linha, refrigeração líquida
  • Distribuição: DOHC, 4 válvulas p/cilindro
  • Cilindrada: 999 cc
  • Diâmetro x curso: 80 x 49,7 mm
  • Potência declarada: 215 cv às 13.900 rpm
  • Binário declarado: 1120 Nm às 10.000 rpm
  • Alimentação: Injecção electrónica
  • Arranque: Eléctrico
  • Embraiagem: Em banho de óleo
  • Caixa: Seis velocidades
  • Ciclística
  • Quadro: Monocoque em carbono,
  • Suspensão dianteira: Forquilha invertida FGR 300 com 43 mm de diâmetro e com 130 mm de curso
  • Suspensão traseira: Amortecedor Öhlins TTX 36 GP com 120 mm de curso
  • Travão dianteiro: Dois discos de 320 mm Brembo Racing, assistidos por pinças radiais de quatro pistões GP4-PR
  • Travão traseiro: Disco de 220 mm, com pinça de quatro pistões.
  • Roda dianteira: 120/70-17’’
  • Roda traseira: 200/60-17’’
  • Peso e dimensões
  • Distância entre eixos: 1.422,7 mm
  • Altura do assento: 816mm / 831mm / 846mm
  • Capacidade do depósito: 17,5 L
  • Peso a seco / ordem de marcha (depósito cheio):146 kg/171,4 kg
  • Preço (2017) : 79.000 €

Cake Bukk

Cake. Uma fatia de futuro elétrico por 15 mil euros

A ideia surgiu… do nada. Ou melhor, apareceu para colmatar um hiato no capítulo da mobilidade. Sem qualquer ligação às motos, Stefan Ytterborn voltou a fazer brilhar as suas apetências e criou a Cake. O sueco, conhecido pelas ideias e produtos inovadores em termos de estratégia, design e marketing, ‘atacou’ as duas rodas com propostas […]

Continuar
Kove 800X Super Adventure no EICMA 2022

EICMA 2022. Kove

Foi, sem dúvida, uma das marcas que maior curiosidade despertou na 79.ª Esposizione Internazionale delle Due Ruotte. Na EICMA 2022, a Kove mostrou uma trail de grande cilindrada, máquinas de motocrosse e até a versão final da quatro-e-meio que vai alinhar no próximo Rali Dakar. Mas o que é, afinal, a Kove e quais são […]

Continuar
EICMA 2022

EICMA 2022. Chinesas?… Sim, com orgulho

Foi de uma entusiasmante confiança o ambiente vivido na 79.ª Esposizione Internazionale delle Due Ruote! Ao longo de seis dias, foram muitos milhares os que visitaram os stands das mais de 1300 marcas espalhados por seis pavilhões da Fiera Milano. Afinal, mais um que em 2021 confirmando a forte aposta em deixar para trás as […]

Continuar