A EN 350. Do início ao fim!

  • Texto e fotos: Jorge Casais

Na senda de percorrer estradas Nacionais, Municipais e Camarárias… e muitas outras sem nome, hoje foi dia de percorrer mais uma, tendo sido eleita a EN350. Mais uma para a colecção.

Esta estrada tem início próximo de Leiria e termina próximo de Cambas, passando por Caranguejeira, Albergaria dos Doze, Alvaiázere, Figueiró dos Vinhos, Pedrogão Grande e Madeirã, perfazendo um total de 119 km.

Não é possível percorrer esta estrada em toda a sua extensão sem termos de percorrer outras, dado que a mesma nunca foi efectiva e totalmente construída. No entanto, como sabia as localidades pela quais teria de passar, com um pouco de imaginação lá tracei as estradas onde a EN350 “desaparece”.

Logo na fase inicial, e quando estamos a chegar a Casal da Cruz, segui pela EN357 até Lagoa da Pedra.

Após umas boas dezenas de km volto a perder a EN350 em Cassinheiras e apanho então a CM1162, EM501, passo Amieira e Bemposta, para em S. Jorge voltar a contactar com EN350 até Chegar a Almoster.

Mais uma vez “perco” a EN350 e enveredo pela EN348 até Alvaiázere para aqui tomar a CM1108, IC3, CM1109, EM517 e, como que por magia, de um momento para o outro esta estrada municipal transforma-se na EN350, e nela percorro umas dezenas de km até ao seu final em Cambas, perto de Oleiros, passando por Figueiró dos Vinhos (onde me perdi tantos eram os sentidos proibidos que não batiam certo com o meu GPS), Outão, Casalinho, Pedrogão Grande, Vale de Galega, Madeirã e Alto Cavalo.

Na foto abaixo para além de partilhar uma foto da minha máquina diabólica partilho o ponto inicial da EN350.

Quando aqui cheguei eram 10:00 pelo que, pelas minhas contas, o segundo percurso que tinha planeado para o regresso daria perfeitamente para chegar a horas “decentes”.

O dia prometia ser excelente, quer em termos de temperatura quer de “nitidez”… assim foi. Quando estava a traçar a rota percebi que a estrada iria ser bastante “curvilínea”… não defraudou. Muito embora a paisagem não seja nada de especial a estrada vale bem o passeio. Recomendo.

Entretanto depois de passar Albergaria dos Dozes, Cassinheiras e Santiais, dou comigo a enveredar por um caminho em Off Road. Quando traçava no Base Camp a indicação é de um caminho alcatroado.

São apenas alguns km que terminam em Almezinha. Esta é mais uma daquelas situações em que tive de ser “criativo” pois a estrada EN350 desapareceu lá para trás em Santiais.

Depois de passar Amieira e apanhar novamente a EN350, em Ponte Nova, sigo até Almoster onde inicio uma subida por uma estrada repleta de curvas que me deram imenso prazer de percorrer. Não, não foi feita de patins a roçar no chão. Foi depressinha mas com calma ao mesmo tempo. Depois de atravessar Vale de Couda decido parar para registar o spot em foto e vídeo.

Fui passando em alguns locais com uma paisagem bem interessante, mas a estrada foi sempre uma constante. Impecável. Chego a Alvaiázere pela EN348 e aqui chegado perdi-me e, ao invés de seguir pela EN350, meto pela CM1108. Não foram muitos km que “perdi” mas que fiquei irritado isso fiquei quando me apercebi do falhanço. Bem que o Zumo me avisava que não estava a ir bem…

Barqueiro, Cabreira; Várzeas, Arega e Casais de Arega foram algumas das localidades que atravessei.

Como já referi anteriormente, é aqui que, de um momento para o outro, a EM517 se “transforma em EN350, e foi também por aqui que parei uma vez mais para registar o momento em foto e vídeo.

Até porque dava para perceber por onde tinha vindo…

Recomendo mesmo esta estrada. É divinal para passear de moto. Muita curva, alcatrão duma forma geral em bom estado, pouco movimento (pelo menos hoje estava) e com alguns locais que nos brindam com uma paisagem bem interessante. Um dia irei percorrer as melhores partes desta estrada com a R7. Estou convencido que com aquele Akrapovik GYTR a berrar, lá para trás, deve ser top.

Arranco em direcção a Enchechamas, localidade com um nome estranho para uma zona que é fustigada por incêndios violentos quase todos os anos, e Figueiró dos Vinhos já não estava longe.

Nesta fase a EN350 não desparece, consigo andar na mesma durante bastantes km chegando a Pedrogão Grande e deixando para trás um troço da estrada fantástico.

Dois ou três km percorridos na IC8 e com Pedrogão Pequeno sob o meu lado esquerdo, meto de novo pela EN350 para percorrer mais um carrossel divinal. Depois de passar a localidade de Vilarejo volto a parar, saco da Nikon e da GoPro e lá tiro mais umas fotos e faço umas filmagens do spot.

Também aqui consigo descortinar a estrada que percorri monte acima…

… E a estrada que tinha pela frente…

Estava a ser um passeio e um dia em cheio. Já não pegava na ST faz uns meses pelo que o que estava a apreciar deste passeio era redobrado.

O raio da ST é mesmo divinal. O conforto, a segurança que transmite a curvar e a travar, a disponibilidade do motor quer quando queremos andar a “pastar a vaca” quer quando queremos meter os cavalos a relinchar.

O Final da EN350 não estava longe mas, para lá chegar, ainda passei pelas localidades de Vale de Mós e Cavalo.

O final da EN350 vai “bater” na EN351 (estrada que a percorri na sua totalidade em 11.06.2021) e foi precisamente por esta estrada magnífica que segui já em modo de regresso a casa.

Chegado a Álvaro parei, como não poderia deixar de ser.

Lá em baixo vemos o Zêzere a serpentear por entre os montes com a particularidade do seu caudal estar extraordinariamente baixo.

Já por aqui passei várias vezes e NUNCA vi este rio com um caudal tão reduzido.

Recomendo a paragem neste spot por cima da localidade de Álvaro.

Sigo pela EN351 até a mesma cruzar com a EN344 (estrada que percorri em 08.06.2021) e entro em mais um fantástico carrossel que me faz passar ao largo de Trinhão, atravessar Portela do Fojo, e chegar a Alvares.

Aqui chegado sigo pela CM1390, CM1160-1, passo Obrais e Boiça e na aldeia de Camelo passo a circular na CM1149 até chegar à localidade de Bolo.

Entro numa estrada DIVINAL – EN236 – (percorrida em 11.06.2021) que me irá levar até Lousã. Muita curva com uma paisagem lindíssima em quase toda a sua extensão.

Não percorri a EN236 em toda a sua extensão pois, quando estava a traçar o dia de hoje, não resisti e vim pela estrada florestal.

Mais um dia bem passado a passear pelo centro de Portugal.

  • Percorridos 558 km
  • Percurso seleccionado 228 km
  • Horas efectivas de condução 07h26m
  • Total de horas em passeio 08h50m
  • Altitude máxima 962 m
  • Moto Yamaha Super Ténéré

Honda ADV350 na The Silent Route

Honda ADV350 Tour & Fun Challenge. The Silent Route

O desafio tinha tanto de provocador como de entusiasmante. Viajar até Alcañiz, com a Honda ADV350, para assistir ao Grande Prémio de Aragon prova do Mundial de MotoGP. Pelo caminho, algumas das mais deliciosas estradas das províncias de Zaragoça, Teruel, Castellon, Tarragona e Barcelona. Incluindo a famosa The Silent Route. Simplesmente espantosa! Texto: Paulo Ribeiro […]

Continuar

Passeio pelas aldeias preservadas próximas do Porto

04-06-2022 Longe de mim pensar que iria hoje dar mais uma voltinha na minha ST, pois ontem quando consultei o “forecast” meteorológico indicava que choveria. Não foi o caso e ainda bem. Texto e fotos: Jorge Casais Continuando a “saga” de percorrer aldeias de Portugal lá planeei a visita a Couce, Castromil, Quintandona, Figueira, Cabroelo, […]

Continuar

Saga das aldeias preservadas em Portugal.

Aldeias de Ovelhinha, Boassas, Vale de Papas e Panchorra. Texto e fotos: Jorge Casais A ideia para este passeio foi visitar as aldeias de Ovelhinha, Boassas, Vale de Papas e Panchorra. Mas também revisitei as Ponte Românica de Panchorra e o Mosteiro de Santa Maria de Cárqueres. Novidades foram realmente as visitas efectivas às aldeias […]

Continuar